quinta-feira, agosto 11, 2022
Anúncios
Anúncios

Bolsonaro questiona interesse de ‘tarados’ por vacina para crianças

Um dia após o Ministério da Saúde anunciar a inclusão de crianças e adolescentes de 5 a 11 anos no plano de vacinação contra a Covid-19, o presidente Jair Bolsonaro (PL) criticou a medida, questionou o interesse por trás da imunização infantil, disse desconhecer mortes pela doença nessa faixa etária e informou que sua filha, Laura Bolsonaro, não será vacinada.

“Eu pergunto: você tem conhecimento de criança de 5 a 11 anos que tenha morrido de Covid? Eu não tenho. Na minha frente tem umas dez pessoas, se alguém tem conhecimento, levanta o braço. Ninguém levantou o braço”, disse.

O chefe do Executivo destacou os supostos efeitos colaterais da vacina e pediu para que pais e mães se atentem para isso. “Uma das questões que nós colocamos para que você, pai, tem que saber, é que a Pfizer não se responsabiliza por efeitos colaterais. E a própria Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] também diz que a criança pode sentir falta de ar e palpitações”, complementou.

Bolsonaro questionou, ainda, qual o interesse por trás da vacinação infantil. “O que está por trás disso? Qual o interesse da Anvisa por trás disso? Qual o interesse daquelas pessoas taradas por vacina? É pela vida? Pela saúde? Se fosse, estariam preocupados com outras doenças no país, mas não estão”, avalia.

A agência já informou, diversas vezes, que a imunização infantil é segura e eficaz contra a Covid-19 e, inclusive, encaminhou ao Ministério da Saúde questionamentos sobre o tema e detalhamento de todo o cenário de aprovação e uso de vacinas.

Em outro momento, Bolsonaro voltou a falar sobre o número de óbitos de crianças e adolescentes pela doença, mas, desta vez, assumiu que há mortes dessa faixa etária causadas pela Covid-19. “Quanto garoto contraiu Covid-19 e não aconteceu absolutamente nada com ele? Quando morre um garoto, que contraiu Covid-19, que isso é quase, eu desconheço, mas existe, com certeza, mas é uma pessoa que tinha problema de saúde grave.”

Segundo o Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde, ao menos 1.148 crianças de até 9 anos já morreram de Covid-19 no país desde o início da pandemia. O número corresponde a um patamar baixo de óbitos pelo coronavírus, mas já supera o total de mortes infantis por doenças para as quais há imunizantes.

Na última quarta-feira (5), o Ministério da Saúde anunciou a inclusão das crianças e adolescentes no plano de vacinação, mas informou que a imunização não será obrigatória, diferentemente de todas as outras vacinações infantis previstas pelo PNI (Plano Nacional de Imunizações). Dessa forma, caberá aos pais ou responsáveis dar o aval para a aplicação — o intervalo entre as doses será de oito semanas.

Apesar de manter nas mãos dos pais a decisão de vacinar ou não as crianças, a pasta recuou em relação à cobrança de prescrição médica como condicionante para a aplicação, como havia adiantado o R7.

Bolsonaro criticou, também, governadores e prefeitos que exigiram passaporte vacinal, documento que comprova a imunização contra a Covid-19 e que é adotado em diversos países. Segundo o presidente, a ação é uma “barbaridade e covardia”.

“Medidas que nunca se viram no Brasil. E essas pessoas têm viés autoritário, ditatorial, e estão à frente de prefeituras e governos de estados, que estão reprimindo. Jamais exigirei o passaporte vacinal, até porque tem gente com a terceira dose de vacina que está morrendo”, acrescentou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Anúncios -

Posts Populares